"Ter um bebê é como planejar uma fabulosa viagem de férias - para a ITÁLIA! Você compra montes de guias e faz planos maravilhosos! O Coliseu. O Davi de Michelângelo.

As gôndolas em Veneza. Você pode até aprender algumas frases em italiano. É tudo muito excitante-Após meses de antecipação, finalmente chega o grande dia! Você arruma suas malas e embarca. Algumas horas depois você aterrissa. O comissário de bordo chega e diz:

- BEM VINDO À HOLANDA!

- Holanda!?! - Diz você. - O que quer dizer com Holanda!?!? Eu escolhi a Itália! Eu devia ter chegado à Itália. Toda a minha vida eu sonhei em conhecer a Itália!

Mas houve uma mudança de plano vôo. Eles aterrissaram na Holanda e é lá que você deve ficar.A coisa mais importante é que eles não te levaram a um lugar horrível, desagradável, cheio de pestilência, fome e doença. É apenas um lugar diferente.Logo, você deve sair e comprar novos guias. Deve aprender uma nova linguagem. E você irá encontrar todo um novo grupo de pessoas que nunca encontrou antes.É apenas um lugar diferente. É mais baixo e menos ensolarado que a Itália. Mas após alguns minutos, você pode respirar fundo e olhar ao redor, começar a notar que a Holanda tem moinhos de vento, tulipas e até Rembrants e Van Goghs.

Mas, todos que você conhece estão ocupados indo e vindo da Itália, estão sempre comentando sobre o tempo maravilhoso que passaram lá. E por toda sua vida você dirá: - Sim, era onde eu deveria estar. Era tudo o que eu havia planejado!.

E a dor que isso causa nunca, nunca irá embora. Porque a perda desse sonho é uma perda extremamente significativa.Porém, se você passar a sua vida toda remoendo o facto de não ter chegado à Itália, nunca estará livre para apreciar as coisas belas e muito especiais sobre a Holanda. "

BEM VINDO À HOLANDA

por Emily Perl Knisley, 1987

terça-feira, 4 de maio de 2010

Intervenção Precoce

O atendimento precoce é aquele destinado aos bebês de risco. Bebês de risco são os que passaram por alguma intercorrência no período gestacional (infecções congênitas, hipertensão arterial materna, malformações congênitas etc.), parto e periparto (sofrimento fetal agudo, toxemia gravídica, trabalho de parto rápido ou prolongado etc.) ou após o nascimento (distúrbios metabólicos, cardiopatias , desconforto respiratório, convulsões etc.). Essas intercorrências são potencialmente capazes de lesar estruturas do sistema nervoso e desencadear alterações no curso do desenvolvimento global do bebê.

A avaliação do desenvolvimento, o tratamento por estimulação precoce, quando necessário, e orientações à família quanto aos cuidados com o bebê são levados a efeito por uma equipe multidisciplinar constituída por: neuropediatra, pediatra, psicólogo do desenvolvimento fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, terapeuta da fala, educadora de ensino espcial, e depois ainda existem equipas de apoio as disfunções de audição e visão.

Dentro do atendimento precoce tem-se dois momentos: o de acompanhamento e o de tratamento. O acompanhamento significa avaliar periodicamente o bebê, em termos do seu desenvolvimento, mesmo que ele não venha apresentando nenhuma expressão clínica da lesão que supostamente possa ter sofrido. Sabe-se, pois, que, em muitos casos, é somente após transcorrido um certo período de desenvolvimento do bebê que as alterações clínicas se tornam visíveis. Em tais circunstâncias, portanto, seria apenas quando o meio demandasse o uso de alguma função comandada pela área lesada que se poderia perceber se ela estaria anormalizada ou modificada.

Então, é justamente para se evitar uma constatação já tardia do problema que o acompanhamento se faz necessário . Para isso, também é preciso que o terapeuta que atenda esses bebês de risco conheça suficientemente bem todos os indicadores que caracterizam, em cada etapa, o desenvolvimento normal, principalmente em termos qualitativos. Para exemplificar, pode-se utilizar uma situação relativa ao desenvolvimento cognitivo, que corresponde à nossa área de competência como psicólogo do desenvolvimento, e conforme exposta a seguir.

Considera-se que o tratamento por estimulação precoce é possível porque se pressupõe a existência do fenômeno da plasticidade cerebral. Esse vem a ser, resumidamente, a possibilidade de sistemas neuronais vizinhos a uma área lesada assumirem a responsabilidade da função relativa a essa área, mediante o processo de estimulação

1 comentário:

  1. E que bom será se o João for um dos meninos em que a estimulação precoce tenha os resultados pretendidos e as lesões sejam menores do que o esperado.

    Acredito que não seja fácil mas com uns pais corajosos como vocês ele terá os melhores cuidados possíveis.

    Beijinhos!

    Elsa S

    ResponderEliminar